O MUNDO PÓS-PANDEMIA

O mundo está enfrentando uma grande pandemia. A partir do final do ano passado, um novo coronavírus surgiu na China e foi disseminado pelo mundo afora. Quase todas as nações foram afetadas por esse vírus. Alguns países, como o Brasil têm sentido os efeitos desse contágio de uma maneira muito preocupante, em razão do alto número de pessoas que foram infectadas.

Nos capítulos 7 a 12 do livro de Êxodo, podemos observar o Egito enfrentando uma série de dez pragas enviadas por Deus contra aquele povo, em razão de todos os seus pecados. Os Hebreus também viviam naquele país. Porém, Deus, com mão forte, os tirou para fora do Egito e os conduziu ao deserto, onde passaram a viver uma nova realidade, Êxodo 16 a 20.

Exigirá uma nova adaptação à realidade e um novo aprendizado

Quando o povo hebreu saiu do Egito, passou a vivenciar uma realidade totalmente diferente daquela que tinha experimentado até então. Os hebreus precisaram de um novo aprendizado.

Após o término dessa pandemia que estamos enfrentando, necessitaremos de nos adaptar à realidade social e econômica que teremos pela frente, aprendendo a superar os problemas.

Exigirá um novo ajuste profissional e uma nova criatividade

No deserto, onde o povo hebreu viveu por quarenta anos, teve necessariamente de ter  ajustes na maneira de obter o seu sustento diário, obedecendo às orientações de Deus.

Depois de uma crise sanitária tão forte, à qual tem afetado a economia das nações, teremos que nos reinventar e, com muita criatividade, buscar a solução para os problemas financeiros.

Exigirá uma nova comunicação e um novo equilíbrio emocional

No Egito, o povo hebreu sofria a perseguição dos egípcios, porém, tinha o seu sustento pessoal.  No deserto, aquele povo precisou equilibrar as suas emoções diante dos desafios.

No mundo pós-pandemia, precisaremos melhorar a nossa comunicação, para superar os novos desafios, com equilíbrio emocional, pois o medo da doença e a crise financeira serão fortes.

Exigirá uma nova relação conjugal e um novo relacionamento coletivo

Na nova terra, os israelitas tiveram que assumir um relacionamento conjugal, de acordo com as orientações divinas e um relacionamento com os seus irmãos numa nova realidade social.

Daqui algum tempo, os casais terão que adaptar-se às dificuldades econômicas causadas pela crise. Necessitaremos também de pensar como nos relacionaremos com o nosso próximo.

Exigirá um novo cuidado pessoal e uma nova religiosidade

No deserto, Deus formou a nação de Israel e outorgou-lhe  diversas leis que requeriam um novo posicionamento religioso e um adequado cuidado com a saúde e a moral de cada um.

Quando este momento de crise passar, teremos que nos preocupar mais com a nossa saúde e com os cuidados pessoais e, sobretudo, com uma vida espiritual e religiosa agradável a Deus.

Tudo na vida passa. Essa crise vai terminar e poderemos experimentar uma nova fase em nossa vida. Vamos superar essa crise e nos preparar para o mundo pós-pandemia com fé.

Pr. Advanir Alves Ferreira

Secretaria - 10ª IPR de Maringá

A GRANDE CEIA DO SENHOR

A igreja de Cristo Jesus tem o privilégio de participar da Santa Ceia, anunciando o sacrifício do Senhor e também a sua volta, I Coríntios 11: 23-26. A grande maioria das denominações realiza a Santa Ceia uma vez por mês em seus templos.  A sua celebração torna-se um dos mais importantes momentos de comunhão da igreja consigo mesma e com o seu único salvador.

No texto que se encontra em Apocalipse 19:6-9, podemos perceber uma grande festa que acontecerá nos céus logo após o arrebatamento da igreja. Há um entendimento de que será uma festa que durará todo o período da grande tribulação, que virá sobre os habitantes da terra que não foram arrebatados pelo Senhor. Então, teremos a grande Ceia do Senhor.

COM O REINADO DO SENHOR

No versículo 6, lemos: “... Aleluia! Pois reina o Senhor, nosso Deus, o Todo-Poderoso”. Jesus tomará posse de seu reinado eterno e os arrebatados viverão para sempre sob o seu governo.

Precisamos nos submeter constantemente ao senhorio de Jesus, o nosso redentor, pois somente dessa maneira conseguiremos servi-lo com inteireza de coração e alcançar uma profunda comunhão com Ele, a qual nos possibilitará a participação naquela grande festa.

COM A ALEGRIA DOS REDIMIDOS

Os salvos terão grande alegria quando participarem daquela grande Ceia: “Alegremo-nos, exultemos e demos-lhe a glória, porque são chegadas as bodas do Cordeiro”, versículo 7.

Desejamos sentir a alegria em todo o tempo em nossa vida cotidiana. A tristeza do coração nos traz muitos transtornos e problemas pessoais, especialmente em nossos relacionamentos com familiares e amigos. No entanto, podemos aguardar uma alegria completa na eternidade.

COM A PUREZA DA NOIVA

Será concedida à noiva do Cordeiro uma total pureza, santidade e justiça na presença do Senhor: “pois lhe foi dado vestir-se de linho finíssimo, resplandecente e puro…”, versículo 8.

Necessitamos ter uma vida digna e separada de todo o pecado, para agradarmos ao nosso Salvador e vivermos vitoriosamente em nossa jornada cristã. Não é possível viver em pecado e ao mesmo tempo estar em comunhão com Deus. Priorizemos a pureza aqui a terra e nos céus.

COM AS BODAS DO CORDEIRO

Conforme vislumbramos no versículo 9, a igreja do Senhor participará de um casamento celestial: “… Bem aventurados aqueles que são chamados à ceia das bodas do Cordeiro…”.

Devemos estar preparados para aquele momento único, quando Jesus Cristo, o noivo, buscará a igreja, sua noiva, para se encontrarem nos ares e se unirem para todo o sempre. Vamos vivenciar as bodas do Cordeiro em todo o seu resplendor e participar da grande Ceia nos céus.

Sob o reinado do Senhor e com muita alegria e pureza iremos participar da maior festa de todos os tempos, a ceia das bodas do Cordeiro. Sejamos fieis e dignos para aquele momento.                                                                                                

                               Pr. Advanir Alves Ferreira

Secretaria - 10ª IPR de Maringá

O DIA EM QUE A CRISE CHEGOU

Quando menos se espera surgem crises em nosso viver cotidiano. Não queremos, em hipótese alguma, enfrentá-las, pois sabemos de suas nefastas consequências. O mundo todo está envolto numa crise sem precedentes, praticamente todas as nações têm sentido os terríveis efeitos do novo CORONAVÍRUS. A doença começou na China e se alastrou pelo mundo afora.

No livro de Gênesis, capítulos 6 a 10, temos a história do Patriarca Noé e do único dilúvio que aconteceu no mundo. A Bíblia diz que a humanidade à época estava corrompida. Então, Deus falou com Noé que iria destruir o mundo com um dilúvio e lhe ordenou que construísse uma ARCA, para a salvação de sua família e de um casal de toda espécie criada. E o dia chegou!

Os obedientes se refugiaram na ARCA

Em Gênesis 7:11-13, lemos que a crise chegou e “romperam-se todas as fontes do grande abismo, e as comportas dos céus se abriram”.  Somente a família de Noé foi salva do dilúvio.

Apenas Noé, a sua esposa e seus três filhos e noras, ao todo oito pessoas, foram salvas, porque obedeceram a Deus e se refugiaram na ARCA. Precisamos ser obedientes diante da crise.

A porta da ARCA foi fechada

Conforme Gênesis 7:16, percebemos que “… o Senhor fechou a porta após ele” após a entrada da família de Noé e dos animas preservados. O próprio Deus fechou a porta da ARCA.

Necessitamos conhecer a Palavra de Deus e obedecê-la de todo o coração, pois somente assim venceremos as crises que surgem entre nós. As oportunidades de vencer não são ilimitadas.

A ARCA subiu sobre as águas

Durou o dilúvio quarenta dias sobre a terra; cresceram as águas e levantaram a arca de sobre a terra”, Gênesis 7:16. A ARCA prevaleceu sobre as águas e quem estava dentro sobreviveu.

Devemos confiar em tudo que o nosso Deus nos fala e saber que Ele guerreia por nós e nos faz mais do que vencedores, por meio de Cristo Jesus. Acredite na superação de todas as crises.

A tempestade passou e a ARCA voltou

A provação não durará para sempre. A luta passa e a vitória vem.  “No dia dezessete do sétimo mês, a arca repousou sobre as montanhas de Ararate”, Gênesis 8:4. Confie sempre em Deus.

Podemos ter a certeza de que a crise vai passar. Precisamos acreditar na providência divina para alcançarmos o livramento de toda praga que vem contra nós. A vitória está chegando.

Com a ARCA em terra o mundo recomeçou

De conformidade com Gênesis 8:20, percebemos o recomeço do mundo: “Levantou Noé um altar ao Senhor…”. Noé recomeça o novo mundo com uma adoração sincera ao seu Deus.

Precisamos estar conscientes de que o propósito de Deus em nossas vidas irá se cumprir. Servimos a um Deus poderoso, o qual nos fará recomeçar bem após superarmos essa crise.

Seja sempre obediente e temente a Deus, confia sempre e tenha uma viva esperança diante da crise e acredite verdadeiramente na vitória que o nosso Deus está nos concedendo agora.

Pr. Advanir Alves Ferreira

Secretaria - 10ª IPR de Maringá

VENCENDO A FORÇA DOS PENSAMENTOS

Os nossos pensamentos são muito importantes e influenciam o que desejamos alcançar. Se tivermos a mente contaminada pelo mal, com certeza, faremos coisas que trarão grandes prejuízos para nós mesmos e para outras pessoas com quem convivemos. Portanto, devemos nos preocupar com aquilo que ocupa a nossa mente, para sermos abençoados pelo Senhor.

No texto que se encontra em Provérbios 23:7a, podemos entender a força de cada um dos nossos pensamentos cotidianos. O sábio Salomão nos afirma: “Porque, como imagina em sua alma, assim ele é”. Quando meditamos no texto descrito, temos a clara percepção de que aquilo que pensamos é de suma importância em nossa vida, influenciando as nossas ações.

Vença os pensamentos pessimistas

De conformidade com Romanos 12:2, entendemos que Deus quer transformar a nossa vida, renovando a maneira de pensarmos e outorgando a nós uma vida abençoada e feliz.

Devemos nos esforçar para vencer todos os pensamentos pessimistas e acreditarmos que temos todas as condições para experimentar a boa, agradável e perfeita vontade de Deus.

Vença os pensamentos ruins                                                                   

O Apóstolo Paulo nos aconselha a programar a nossa mente com pensamentos abençoados, Filipenses 4:8. Desta forma, iremos impedir que pensamentos ruins domine a nossa mente.

Necessitamos vencer todos pensamentos ruins relacionados a nós mesmos, às pessoas com quem convivemos e até contra Deus, substituindo-os por coisas verdadeiras e de boa fama.

Vença os pensamentos maldosos                                                           

Jesus enfrentava e confrontava os escribas e fariseus que não criam nele, exortando-os a não pensar mal em seus corações, pois conhecia a cada um de seus pensamentos, Mateus 9:4.

Precisamos superar todos os pensamentos maldosos que surgem em nossa mente, para não fazermos o mal a quem quer que seja, pois estaríamos, desta maneira, desagradando a Deus.

Vença os pensamentos condenatórios                             

Jesus nos ensinou que cabe a cada um de nós examinarmos muito bem as nossas motivações e a nossa conduta ao invés de julgar o próximo, Mateus 7:1. Não podemos julgar e condenar.

Devemos ter compaixão das pessoas que pecaram e carecem do nosso perdão. Queremos ser perdoados cada vez que falhamos, então, fujamos de atitude condenatória contra o próximo.

Vença os pensamentos pecaminosos                                                   

No texto do Salmo 139:23-24, Davi pediu que Deus sondasse o seu coração e conhecesse os seus pensamentos, à procura de algum pecado e que o guiasse pelo caminho eterno.

Necessitamos examinar os nossos pensamentos e verificar se estamos tendo desejos que nos conduzem ao pecado. Não podemos deixar que pensamentos pecaminosos nos domine.

Podemos vencer os pensamentos pessimistas, ruins, maldosos, condenatórios e pecaminosos. Para tanto, precisamos ocupar a nossa mente com pensamentos saudáveis e virtuosos.

Pr. Advanir Alves Ferreira

Secretaria - 10ª IPR de Maringá

O POVO DE DEUS, QUARENTA E CINCO DIAS DEPOIS …

O nosso Deus tem lindos propósitos para com o seu povo. Ele é fiel e cumpre todas as suas promessas. O tempo passa, porém a fidelidade do Senhor não sofre qualquer alteração no decorrer dos anos. Podemos e devemos confiar de todo o nosso coração em Deus, pois Ele jamais nos decepcionará. A sua graça para conosco é superabundante e providencial.

No texto que se encontra em Josué 14:5-14, podemos perceber a grande fidelidade de Deus explicitada aos seus servos fiéis. Quarenta e cinco anos haviam passado, desde a saída do povo hebreu do Egito. A nação de Israel ficara quarenta anos no deserto e mais cinco anos lutando para conquistar a Terra Prometida. Depois desse tempo, continuava com a bênção de Deus.

Continuava firme na Terra Prometida

A terra foi dividida entre as tribos exatamente como Deus havia instruído a Moisés. O povo de Israel tomara posse da terra Prometida, v.5, e continuava firme no propósito de seu Deus.

Devemos ser obedientes e continuar servindo ao Senhor com perseverança e firmeza, sem vacilar e voltar atrás, após quarenta e cinco anos completados pela nossa querida IPRB.

Continuava crendo nas promessas do Senhor

Calebe e Josué eram os únicos que ainda viviam de todos os homens de vinte anos para cima que saíram do Egito. Eles continuavam crendo nas promessas que Deus lhes fizera, vs.6-9.

Necessitamos continuar crendo em cada promessa quer Deus nos fez, desde o início da nossa Igreja. O Senhor nos concederá todas as bênçãos que prometera, pois Ele é fiel para tanto.

Continuava acreditando no seu potencial

Com oitenta e cinco anos de idade, Calebe continuava muito animado, vs.10-11, pois a sua fé permanecia inabalável e confiava no vigor que o Senhor lhe concedera e na ajuda divina.

Precisamos acreditar sempre na força, vigor, capacidade e unção que Deus nos concede.  Não percamos o ânimo para continuar batalhando na Seara do Senhor e em nosso trabalho secular.

Continuava motivado para conquistar

Embora ainda habitada por gigantes, Calebe pede Hebrom como sua herança, vs.12. Poderia ter reivindicado uma terra já conquistada, porém demonstra estar ainda motivado para a luta.

Devemos continuar com a mesma motivação que tínhamos anos atrás para obter grandes conquistas. Olhemos para frente com forte esperança de alcançar cada um de nossos sonhos.

Continuava abençoado pelo Senhor

O mesmo Deus que havia libertado o povo hebreu do Egito e suprido as suas necessidades no deserto, haveria de continuar abençoando o seu povo na conquista da Palestina, vs.13-14.

Podemos confiar nas grandes bênçãos que o Senhor nos concede, por meio de seus ungidos. Continuemos a acreditar no socorro e ajuda de nosso Deus, em razão de seu imenso poder.

A Renovada completa quarenta e cinco anos de grandes conquistas. O nosso Deus esteve até aqui conosco e nos ajudou. Continuemos confiando nele e seremos muito mais abençoados.

Pr. Advanir Alves Ferreira

Secretaria - 10ª IPR de Maringá

UM TRIBUTO AO SENHOR

Chegamos ao final de mais um ano e estamos comemorando o décimo aniversário da nossa amada igreja. É um tempo oportuno para reconhecermos que o nosso Deus tem sido muito bom para conosco e tem nos abençoado com toda sorte de bênçãos. Pela graça do Senhor, superamos as dificuldades e permanecemos firmes na verdade e esperando o melhor de Deus.

No texto que se encontra no Salmo 126:1-6, podemos perceber claramente a alegria do povo de Israel quando voltou do cativeiro babilônico e pôde habitar novamente na sua pátria. Foi um tempo de muitas expectativas e satisfação por estar de volta à sua terra. Deus cumprira cabalmente as suas promessas ao seu povo, o qual apresentava-lhe um tributo de gratidão.

Olhar para o passado com gratidão e louvor

O povo de Israel estava vivenciando uma grande alegria. Parecia que era apenas um sonho e não um momento real, Salmo 126:1-3. O riso dominou as emoções de cada um que tinha voltado do cativeiro: “… Grandes coisas fez o Senhor por nós, e, por isso, estamos alegres”.

Devemos sempre olhar para o passado com gratidão e também com louvor ao nosso Deus, pois Ele tem sido fiel para conosco durante a nossa jornada neste mundo. A 10ª. IPR de Maringá está completando dez anos de existência com grandes conquistas e vitórias. Aleluia!

Olhar para o presente com compromisso e dedicação

A nação judaica estava vivendo um novo momento de sua história, Salmo 126:4-5. Livres do cativeiro, os judeus desejavam experimentar novamente a abundância que tiveram num passado distante: “Restaura, Senhor, a nossa sorte, como as torrentes do Neguebe …”.

Precisamos valorizar sobremaneira o que o Senhor tem nos concedido e realizar o nosso trabalho com muita dedicação, demonstrando sempre um grande compromisso com a missão que nos foi outorgada pelo nosso Deus. Vamos fazer algo relevante neste tempo para Deus.

Olhar para o futuro com fé e esperança

Os israelitas sabiam das muitas dificuldades que teriam pela frente, contudo, manifestavam uma grande disposição para semear novamente na terra que o Senhor lhes devolvera: “Quem sai andando e chorando, enquanto semeia, voltará com júbilo, trazendo os seus feixes”.

Podemos ter a certeza de que o Senhor vai cuidar do nosso futuro e nos fazer prosperar em nossa jornada. Necessitamos ter muita fé e esperança em nosso Deus, pois Ele é poderoso para nos abençoar. Vamos esperar o melhor de Deus que está chegando em nossa igreja.

Devemos olhar para o passado com gratidão e louvor ao nosso Deus; precisamos olhar para o presente com compromisso e dedicação e podemos olhar para o futuro com fé e esperança.

Pr. Advanir Alves Ferreira

Secretaria - 10ª IPR de Maringá

JESUS CRISTO, A NOSSA GRANDE ESPERANÇA

Vivemos num mundo pecaminoso e corrupto. Somos tentados a ficar desanimados diante de tantas notícias ruins que tomamos conhecimento, pelos meios de comunicação. Muitos têm pensado que não há esperança para humanidade. No entanto, quando lemos e meditamos na Palavra de Deus, passamos a acreditar que Jesus Cristo é a grande esperança do ser humano.

Podemos perceber essa verdade no texto de Apocalipse 1:4-8. A revelação de Deus traz para o leitor da Bíblia algumas verdades gloriosas sobre Jesus Cristo, o nosso salvador. A Trindade Divina aparece em destaque no texto e o Senhor faz algumas referências profundas acerca do Redentor da humanidade, explicitando que Jesus Cristo é a nossa única e grande esperança.

É o Soberano que governa

Jesus veio ao mundo para sofrer por nós e pagar os nossos pecados. Ele é o Primogênito dos mortos, foi o primeiro a ressuscitar para nunca mais morrer. Ele é a fiel testemunha de Deus à humanidade caída e governa sobre todos os reis e nações do mundo, Apocalipse 1:5a.

Podemos confiar totalmente no governo e no cuidado do nosso Salvador para conosco. Não estamos à deriva. O Deus criador do universo está em todo lugar e guarda o seu povo do mal.

É o Redentor que liberta   

Jesus nos ama verdadeiramente e nos liberta de todo pecado que cometemos, purificando-nos pelo Seu Sangue vertido na Cruz do Calvário, Apocalipse 1:5b. Cristo demonstrou o seu imenso amor quando se sacrificou por pessoas pecadoras, com o objetivo de salvá-las da perdição.

Precisamos crer de todo o coração em nosso Salvador para alcançarmos o perdão e a libertação de nossos pecados. Em Cristo, tornamo-nos novas criaturas e pessoas renovadas.

É o Líder que capacita                                                                                   

Jesus capacita a Sua Igreja para servi-lo, Apocalipse 1:6. Cristo concede aos que aceitam a Sua Salvação o privilégio de reinar com Ele. Concede também aos seus discípulos o nobre trabalho sacerdotal, para interceder e abençoar a todos quantos necessitam do socorro divino.

Necessitamos buscar a capacitação do Senhor para realizarmos um serviço eficaz no Reino de Deus. Confiemos na capacitação que Jesus Cristo nos concede para o ministério eclesiástico.

É o Rei que voltará                                                                               

Jesus havia prometido no momento da Sua ascensão que voltaria a terra. Em Apocalipse 1:7-8, Ele confirma a promessa da Sua volta. Jesus arrebatará e conduzirá o seu povo para as Bodas do Cordeiro e depois voltará de forma visível e vitoriosa diante do olhar de todos os povos.

Devemos ter plena convicção da Sua volta e aguardá-lo com cautela e preparo, para subirmos com o Noivo para a festa celestial. Sejamos prudentes e fiéis em nossa vida cristã. Maranata!

Jesus Cristo, a nossa grande esperança, governa este mundo, liberta os pecadores, capacita os Seus servos e voltará para a Sua Igreja. Vamos viver com fidelidade e frutos para agradá-lo.

Pr.Advanir Alves Ferreira

Secretaria - 10ª IPR de Maringá

A COMUNHÃO COM CRISTO

Podemos desfrutar da comunhão com Jesus Cristo, a despeito da nossa fragilidade humana e atitudes desagradáveis diante de Deus. Necessitamos da presença do Senhor em nosso viver cotidiano. Somente conseguimos alcançar a satisfação interior quando experimentamos uma íntima comunhão com o nosso criador e redentor. A nossa alma anseia pela presença de Deus.

Nos textos que se encontram em Marcos 14:12-16 e 22-26, podemos meditar sobre a última páscoa e a instituição da Santa Ceia do Senhor. Jesus Cristo estava vivendo os seus últimos momentos na terra. Ele seria, após essa celebração, traído por Judas e julgado e condenado pelos líderes da nação judaica e pelas autoridades romanas. Era um momento de comunhão.

Seguindo o homem com cântaro de água

Os discípulos se oferecem para preparar a páscoa. Jesus envia dois deles com a recomendação de que na cidade seguissem “um homem trazendo um cântaro de água”, Marcos 14:13-14.

Este homem viria ao encontro deles e os conduziriam até o local onde comeriam a páscoa. Semelhantemente, devemos seguir o Espírito Santo, o qual tem a água viva que sacia a nossa sede espiritual e nos conduz a uma satisfatória comunhão com Jesus Cristo, o nosso Salvador.

Preparando a casa para a ceia

O Senhor já fez o que precisávamos para a nossa comunhão com Ele. Cabe a nós fazermos a nossa parte e prepararmo-nos para esse momento sublime: “E, saindo os seus discípulos, foram à cidade, e acharam como lhes tinha dito, e prepararam a páscoa”, Marcos 14:16.

Precisamos preparar a nossa vida para a íntima comunhão com o Senhor e também para o arrebatamento da igreja. Não podemos ser negligentes em nosso relacionamento com Deus.

Recebendo o sacrifício do Senhor

“E, comendo com eles, tomou Jesus pão, e, abençoando-o o partiu, e deu-lho, e disse: Tomai, comei, isto é o meu corpo”, Marcos 14:22. A Ceia do Senhor é uma celebração dramática do evento da redenção. Jesus, voluntariamente, entregaria a sua vida por nós na cruz do calvário.

Podemos receber o perdão de nossos pecados pelo sacrifício de Jesus em nosso favor. Ele pagou um preço muito alto para nos perdoar e purificar de toda injustiça por nós praticada.

Vivenciando a Aliança com o Senhor

Jesus disse aos seus discípulos: Isto é o meu sangue, o sangue do Novo testamento, que por muitos é derramado”, Marcos 14:24. A morte de Jesus na cruz selou uma nova aliança entre Deus e nós. Jesus ofereceu a si próprio, como cordeiro imaculado de Deus, pelas nossas faltas.

Necessitamos valorizar sobremaneira o sacrifício de Jesus e a nova aliança oferecida por Ele a pecadores. Vivenciemos em toda a sua plenitude a aliança que temos com o nosso redentor.

Portanto, vamos buscar uma extraordinária comunhão com Cristo, seguindo o Espírito Santo, preparando a nossa casa, recebendo o sacrifício do Senhor e vivenciando a aliança com Deus.                                                         

                                                                      Pr. Advanir Alves Ferreira

Secretaria - 10ª IPR de Maringá

OS PAIS DA HUMANIDADE

No princípio, Deus criou os céus e a terra. Deus criou todas
coisas pelo seu próprio poder e formou a raça humana como coroa da sua criação.
O Senhor objetivava formar um povo que lhe obedecesse voluntariamente e
usufruísse de todos os benefícios que prepara para o ser humano. Deus tinha
como propósito formar uma geração de pessoas abençoadas por Ele. Podemos
observar a criação da humanidade em Gênesis 1:26-27 de uma forma totalmente
diferente dos demais seres criados na face da terra. Deus fez o ser humano à
sua imagem e semelhança e lhe concedeu uma capacidade muito superior às demais
criaturas. O nosso Deus criou macho e fêmea, com o objetivo de multiplicarem e
povoarem toda a face da terra.

Criados para governar        

Dominar sobre todas as outras criaturas é uma atribuição outorgada por Deus ao ser humano, Gênesis 1:28. Deus delegou um pouco da sua autoridade à raça humana, esperando que esta assumisse a responsabilidade sobre o meio ambiente e as outras criaturas que vivem na terra.

Necessitamos valorizar o grande privilégio que o Senhor nos concedeu e cumprir a nossa nobre função com dedicação e zelo para com este planeta. Não sejamos negligentes neste trabalho.

Criados para a felicidade    

Deus presenteou Adão e Eva com o matrimônio, Gênesis 2:21-25. Eles foram criados perfeitos um para o outro. O casamento foi instituído por Deus para proporcionar um nível singular de relacionamento entre duas pessoas. O Senhor visava conceder ao casal grande felicidade.

Precisamos viver a vida conjugal com muito prazer, harmonia e alegria, sem ter nada do que se envergonhar diante do outro. Aproveitemos esse privilégio com grande satisfação e fidelidade.

Criados para comunhão

Gênesis 3:8-9 nos mostram o desejo de Deus de relacionar-se conosco. No final de cada dia, Deus descia e passeava no Jardim do Éden com objetivo de ter comunhão com o ser humano que criara. Infelizmente, o pecado quebrou esse relacionamento entre Deus e a humanidade.

Podemos renovar o nosso relacionamento com Deus por meio de Jesus Cristo, que veio ao mundo e pagou o alto preço para a nossa religação com Criador. Louvado seja o nosso Deus.     

Criados para a redenção     

 Deus revelou o seu plano de redenção da humanidade em Gênesis 3:15. A Frase “tu lhe ferirás o calcanhar” refere-se às repetidas tentativas de Satanás de derrotar a Cristo. A frase “esta te ferirá a cabeça” prenuncia a vitória de Cristo sobre a morte e sobre toda a tentação maligna.

Devemos ter gratidão em nosso coração e glorificar constantemente ao nosso Redentor Jesus Cristo, em razão da grande salvação que Ele nos concedeu pela sua graça, amor e compaixão.

Vamos tomar posse de todos os benefícios que o nosso Deus tem outorgado ao seu povo. Apropriemos da liderança, felicidade, comunhão e redenção a nós concedidas gratuitamente.           

Pr. Advanir Alves Ferreira

Secretaria - 10ª IPR de Maringá